quarta-feira, 24 de maio de 2017

Wannacry - Uma ação de harckers ou apenas uma estratégia de negócio.

Será que a pirataria foi o motivador da onda de ataques?


Será que o ataque foi uma  ação de harckers ou apenas uma "estratégia" para forçar a legalização e atualização da versão do sistema operacional?


Pelo menos foi o que me levou aos questionamentos destas possibilidade a matéria publicada por Reuters.

Fazendo uma "conta de padeiro",  considerando 300 mil computadores com versão desatualizada, imaginando que 39% são pirata, ou seja, 117 mil equipamentos que estão sendo forçados para serem "legalizados".  Considerando ainda que ter uma cópia oficial, requer o  desembolso de US$ 140,92 (ao invés dos US$ 300 do resgate, continuando vulnerável), esta ação irá proporcionar algo em torno de US$ 42,2 milhões, dos quais US$ 16,5 milhões de novas cópias oficiais. Somando-se a isso, a redução de custo "monstruosa" com a desativação de estrutura de suporte para as versões antigas que não rentabilizam mais e impedem "vendas" de novas "facilidades". 


Versões mais modernas de Sistema Operacional, forçam novas versões de produtos, rentabilizando o parque antes obsoleto e abre o caminho para novos produtos e novos serviços!


Segue versão resumida do que foi publicado por Reuters.



Reuters - O serviço postal russo foi atingido pela Wannacry ransomware na semana passada e alguns de seus computadores ainda estão abaixo, disseram três funcionários em Moscou, o último sinal de fraquezas que fizeram do país uma grande vítima da campanha global de extorsão.


Outras instituições na Rússia disseram que foram infectadas pelo vírus, destacando a disponibilidade de Moscou para mostrar que também é uma vítima freqüente de cibercrime em face de alegações dos Estados Unidos e da Europa de hackers patrocinados pelo Estado.


O Ministério do Interior, o operador móvel MegaFon e o monopólio ferroviário estadual, todos os russos relataram infecções, com funcionários fechados de seus computadores e os criadores do vírus exigindo resgates de US$ 300 a US$ 600.


O banco central russo disse na sexta-feira que o vírus também comprometeu alguns bancos russos em casos isolados.


De 300.000 computadores infectados em todo o mundo, 20 por cento estavam na Rússia.


Globalmente, poucos resgates foram pagos depois que muitas vítimas descobriram que poderiam restaurar seus sistemas de backups.


"Muitas empresas na Rússia usam sistemas desatualizados e anti-malware antigos", disse Nikolay Grebennikov, vice-presidente de pesquisa e desenvolvimento da empresa de proteção de dados Acronis. "Em grandes empresas atualizações são difíceis de executar e evitado por causa do orçamento e escala."


O uso freqüente de software pirata na Rússia também ajudou a espalhar a infecção Wannacry, disseram os investigadores, como produtos não licenciados não recebem atualizações de segurança.


A Reuters não encontrou nenhuma evidência de que empresas russas infectadas com o vírus Wannacry usassem software sem licença. Mas a pirataria informática é uma questão de longa data para as empresas de tecnologia na Rússia, que se tornou cada vez mais aguda como a queda econômica do país e rendimentos em queda tornar os produtos licenciados proibitivamente caro.


Dados compilados pelo grupo de comércio da BSA Software Alliance mostram que 64% dos produtos de software na Rússia foram pirateados em 2015 - uma indústria de mercado negro no valor de US $ 1,3 bilhão - em comparação com uma média global de 39%.


"A pirataria ainda está muito difundida na Rússia, especialmente se estamos falando de usuários domésticos", disse Grebennikov. "Isto é por causa da pobreza. Se um sistema operacional custar 500 rublos, as pessoas iriam comprá-lo."


Vejam a matéria completa:


👉 https://goo.gl/dc81MW



IDFM


domingo, 21 de maio de 2017

WannaCry vs Wanakiwi

Investigadores franceses descobrem caminho para desbloquear WannaCry sem resgate


REUTERS - Franceses disseram na sexta-feira que encontraram uma forma de última chance para técnicos salvar arquivos do Windows criptografados pelo WannaCry, correndo contra um prazo, já que o ransomware ameaça começar a fechar os computadores das vítimas infectados pela primeira vez há uma semana.


Uma equipe de pesquisadores de segurança espalhados pelo mundo disse que eles colaboraram para desenvolver uma solução para desbloquear a chave de criptografia de arquivos atingidos no ataque global, que vários pesquisadores de segurança independentes confirmaram.


"Esta não é uma solução perfeita", "Mas isso é até agora a única solução viável para ajudar as empresas a recuperar seus arquivos se eles foram infectados e não têm back-ups", que permitem aos usuários restaurar dados sem pagar.


Na quarta-feira, metade dos endereços de Internet corrompidos globalmente pela WannaCry estavam localizados na China e na Rússia, com 30 e 20 por cento das infecções, respectivamente, de acordo com dados fornecidos pela empresa de inteligência de ameaças Kryptos Logic.


Em contraste, os Estados Unidos respondem por 7% das infecções WannaCry, enquanto que a Grã-Bretanha, a França e a Alemanha representam apenas 2% dos ataques mundiais, disse Kryptos.


Somente 309 transações no valor de cerca de US $ 94.000 parecem ter sido pagas em contas de chantagem WannaCry até sexta-feira, sete dias após o início do ataque. Isso é apenas menos de um em cada 1000 das vítimas estimadas.


Isso pode refletir uma variedade de fatores, dizem os especialistas em segurança, incluindo o cepticismo de que os agressores honrarão suas promessas ou a possibilidade de que as organizações tenham planos de armazenamento de backup que lhes permitam recuperar seus dados sem pagar resgate.


Matéria completa: https://goo.gl/pQPXMM



quarta-feira, 17 de maio de 2017

Chineses culpam EUA pelo ataque cibernético

A China prepara-se para impor uma ampla lei de segurança cibernética que grupos empresariais norte-americanos dizem que ameaçará as operações de empresas estrangeiras na China com estritas leis locais de armazenamento de dados e rígidas exigências de vigilância.


O jornal China Daily disse que o papel do aparato de segurança norte-americano no ataque deve "incutir maior urgência" na missão da China de substituir a tecnologia estrangeira pela sua.


Veja mais: 


Reuters 👉 https://goo.gl/EeIWYo


terça-feira, 16 de maio de 2017

Será que Lazarus retornará em 08 de junho?

Pessoal, reproduzo abaixo versão traduzida de mais uma matéria publicado por Reuters.

Antes porém, não podia deixar de fazer meus comentários.  

A matéria mencionam  o grupo Lazarus e a Coreia do Norte (O terceiro que explorou as oportunidades), o que me motivou nos comentários em razão do Post publicado em 15 de maio, 👉 De quem é a culpa?


Será  que este Lazarus, da mesma forma que o Lázaro  que retornou à vida depois de 4 dias de sepultado, voltará ao ataque?


Ou será igual ao Lázaro, o leprozo, que se contentava com as migalhas que caíam da mesa dos ricos, continuaram apenas colhendo os bitcoins  do ultimo ataque?  


Ou será mais um "brinquedinho", "videogame" de Maniaco Kim Jong-un, que não passa de garoto pisicopata e desequilíbradado, em substituição às bombas e foguete? 


De todas possibilidades, a mais perigosa é que seja obra deste maniaco!


Levado por pura teoria da conspiração, pesquisei concidencias e encontrei algumas curiosidades:


  • 12 de maio o embaixador da Coreia do Norte na Rússia, declarou foi identifiado um grupo terrorista que estava preparando um atentado contra o garoto líder norte-coreano. Na mesma data que foi desencadeado o ataque, retalhação? coincidencia?
  • A organização do atentado contra o Kim Jong-un custou 300 mil dólares (mais de 900 mil reais. O valor pedido pelo resgate foi de 300 dólares.  O valor numérico é coincidência?
  • 08 de junho, nesta data toda Coreia do Norte não sorriem, é data de feriado nacional em homenagem a morte do avô. Além de não expressar alegria, é proibido falar alto em público, beber e dançar. O grupo Shadow Brokers disse que a partir de junho tem mais detalhes. Coincidência?


👇👇Segue matéria do Reuters:👇👇


Curiosidade no WannaCry  cabeça cabeca de pesquisadores de cibersegurança


Ter 16 de maio de 2017 | 12:54 PM EDT


Por Jeremy Wagstaff | CINGAPURA


O malware WannaCry que se espalhou para mais de 100 países em poucas horas está lançando várias surpresas para pesquisadores de segurança cibernética, incluindo como ele ganhou sua posição inicial, como ele se espalhou tão rápido e por que os hackers não estão fazendo muito dinheiro com isso.

Alguns pesquisadores descobriram provas que dizem que poderiam ligar a Coréia do Norte ao ataque, mas outros são mais cautelosos, dizendo que o primeiro passo é esclarecer até mesmo as perguntas mais básicas sobre o malware em si.


Por um lado, disse Caleb Barlow, da IBM Security, os pesquisadores ainda não sabem exatamente como o malware se espalhou em primeiro lugar. A maioria das empresas de segurança cibernética culpou e-mails de phishing - e-mails contendo anexos maliciosos ou links para arquivos - que baixam o ransomware.


É assim que a maioria dos ransomware encontra seu caminho nos computadores das vítimas.


O problema no caso WannaCry é que, apesar de pesquisar no banco de dados da empresa mais de 1 bilhão de e-mails datados de 01 de março, a equipe de Barlow não conseguiu encontrar nenhum ligado ao ataque.


"Uma vez que uma vítima dentro de uma rede está infectada, ela se propaga", disse Barlow, de Boston, em entrevista por telefone, descrevendo uma vulnerabilidade no Microsoft Windows que permite que o worm se mova de um computador para outro.


A NSA usou a falha da Microsoft para construir uma ferramenta de hacking codinome EternalBlue que acabou nas mãos de um misterioso grupo chamado Shadow Brokers, que então publicou essa e outras ferramentas on-line.


Mas o enigma é como a primeira pessoa em cada rede foi infectada com o worm. "É estatisticamente muito incomum que nós digitalizar e não encontrar indicadores", disse Barlow.

Outros pesquisadores concordam. "Agora não há nenhuma indicação clara do primeiro compromisso para WannaCry", disse Budiman Tsjin da RSA Security, uma parte da Dell.

Saber como o malware infecta e se espalha é a chave para ser capaz de parar ataques existentes e antecipar novos. "Como diabos isso chegou lá, e isso poderia ser repetidamente usado novamente?" - disse Barlow.

RESGATE INSIGNIFICANTE 


Algumas empresas de segurança cibernética, entretanto, dizem ter encontrado algumas amostras dos e-mails de phishing. FireEye FEYE.N disse que estava ciente de clientes usaram seus relatórios para identificar com sucesso alguns associados com o ataque.


Mas a empresa concorda que o malware confiava menos em e-mails de phishing do que em outros ataques. Uma vez que um certo número de infecções foi estabelecido, ele foi capaz de usar a vulnerabilidade da Microsoft para propagar sem a sua ajuda.


Há outras surpresas, que sugerem que este não é um ataque ransomware comum.


Apenas somas insignificantes foram coletadas pelos hackers, de acordo com evidências disponíveis, principalmente na criptomoeda bitcoin.


Havia apenas três carteiras bitcoin e a campanha ganhou apenas US $ 50.000,  apesar das infecções generalizadas. Barlow disse que os pagamentos únicos em alguns outros casos de resgate eram mais do que isso, dependendo da vítima.


Jonathan Levin, da Chainalysis, que monitora os pagamentos de bitcoin, disse que havia outras diferenças em relação à maioria das campanhas de ransomware: por exemplo, a falta de métodos sofisticados usados em casos anteriores para convencer as vítimas a pagar. No passado, isso incluiu hot lines em várias línguas.

E até agora, disse Levin, o bitcoin que tinha sido pago nas carteiras dos atacantes permaneceu lá - comparado a outra campanha, conhecida como Locky, que ganhou US $ 15 milhões enquanto esvaziava regularmente as carteiras bitcoin.


"Eles realmente não estão bem preparados para lidar com seus pagamentos bitcoin", disse Levin.


A falta de sofisticação pode reforçar os pesquisadores de segurança cibernética que dizem ter encontrado provas que poderiam ligar a Coréia do Norte ao ataque.

Um pesquisador sênior da Hauri Labs da Coréia do Sul, Simon Choi, disse na terça-feira que o estado recluso estava desenvolvendo e testando  desde agosto programas de ransomware. Em um caso, os hackers exigiram bitcoin em troca de informações de clientes que tinham roubado de um shopping sul-coreano.

Choi, que fez uma extensa pesquisa sobre as capacidades de hacking da Coréia do Norte, disse que suas descobertas correspondem às da Symantec ( SYMC.O ) e da Kaspersky Lab, que dizem que alguns códigos em uma versão anterior do software WannaCry também apareceram em programas usados pelo Lazarus , Identificado por alguns pesquisadores como uma operação de hacking da Coréia do Norte.


Os hackers de Lazarus têm sido mais descarados na busca de ganhos financeiros do que outros, e foram culpados pelo roubo de US $ 81 milhões do banco central do Bangladesh, de acordo com algumas empresas de segurança cibernética. Os Estados Unidos acusaram-na de estar por trás de um ataque cibernético contra a Sony Pictures em 2014.


Quem for encontrado por trás do ataque, disse Marin Ivezic, um parceiro de segurança cibernética na PwC em Hong Kong, a maneira como os hackers usaram as ferramentas disponíveis livremente de forma tão eficaz pode ser o que torna esta campanha mais preocupante.


Ao empacotar uma ferramenta criada a partir dos arquivos de NSA vazados com seu próprio ransomware, "eles conseguiram uma melhor distribuição do que qualquer coisa que poderiam ter conseguido de uma maneira tradicional", disse ele.


"EternalBlue (a ferramenta de hacking) agora demonstrou o ROI (return on investment) do tipo certo de worm e isso se tornará o foco de pesquisa para cibercriminosos", disse Ivezic.


(Reportagem adicional Ju-Min Park em Seul, Edição de Raju Gopalakrishnan)


Foi apenas um aperitivo?

Pessoal, reproduzo abaixo versão traduzida da matéria publicado por Reuters.


Será que sexta-feira foi apenas um aperitivo para o que vem por aí?


Leiam e tirem suas conclusões 


Grupo vinculado a vazamentos de espionagem da NSA ameaça venda de novos segredos tecnológicos

Ter 16 de maio de 2017 | 12:49 PM EDT


Por Eric Auchard e Dustin Volz | FRANKFURT / WASHINGTON


Um grupo que tomou o crédito por NSA - incluindo aqueles usados ​​no ataque ao ransomware global da WannaCry - disse que planeja vender código que pode ser usado para invadir computadores, softwares e telefones mais usados ​​no mundo.


Usando o inglês confuso, o grupo Shadow Brokers disse em uma declaração on-line que, a partir de junho, começará a lançar software para qualquer pessoa disposta a pagar pelo acesso a alguns dos maiores segredos comerciais do mundo tecnológico.


No blog, o grupo disse que estava montando um "dump mensal de dados" e que poderia oferecer ferramentas para invadir navegadores, roteadores de rede, aparelhos de telefone, além de novas explorações para o Windows 10 e dados roubados dos bancos centrais.


Ele disse que estava preparado para vender acesso a vulnerabilidades não divulgadas anteriormente, conhecidas como zero-days, que poderiam ser usadas para atacar o mais recente sistema de software da Microsoft , o Windows 10. O post não identificou outros produtos por nome.


Também ameaçou despejar dados de bancos usando a rede internacional de transferência de dinheiro SWIFT e de programas nucleares, de mísseis russos, chineses, iranianos ou norte-coreanos, sem fornecer mais detalhes.


"Mais detalhes em junho", prometeu.


Shadow Brokers veio à atenção pública em agosto passado quando montou uma tentativa malsucedida de leiloar um conjunto de ferramentas mais antigas de espionagem cibernética que, segundo ele, foram roubadas da Agência Nacional de Segurança dos EUA.


Os vazamentos e o ataque global do vírus WannaCry renovaram o debate sobre como e quando as agências de inteligência devem divulgar as vulnerabilidades usadas nos programas de espionagem cibernética para que as empresas e os consumidores possam se defender melhor contra ataques.


Matthieu Suiche, hacker francês e fundador da empresa de segurança cibernética Comae Technologies, com sede nos Emirados Árabes Unidos, estudou os lançamentos do Shadow Broker e acredita que o grupo tem acesso a arquivos da NSA.


As ferramentas de hacking que se acredita pertencerem à NSA que foram divulgadas on-line no mês passado foram construídas em Wanscredans WannaCry - também conhecido como WannaCrypt - que varreu o mundo na sexta-feira.


O ataque alimentou temores de que as poderosas armas cibernéticas da agência de espionagem poderiam agora ser transformadas em uso criminoso, aumentando as ameaças de segurança cibernética para um nível totalmente novo.


A NSA não comentou sobre Shadow Brokers desde que o grupo surgiu no ano passado, ou o conteúdo de vazamentos passados. Ele não respondeu a pedidos repetidos de comentário sobre o ataque ransomware.


Uma porta-voz da Microsoft disse que estava preparando uma resposta. A Microsoft conectou explorações anteriores de seus produtos lançados pelo misterioso grupo Shadow Brokers a ferramentas que foram roubadas das operações de guerra cibernética da NSA.


(Reportagem de Eric Auchard em Frankfurt, Dustin Volz em Washington DC e Jim Finkle em Toronto, Edição de Hugh Lawson e Richard Lough)


Fonte: Reuters http://reut.rs/2rnvUc2

segunda-feira, 15 de maio de 2017

De quem é a culpa?

A caça às bruxas e o jogo de empurrar de um lado para o outro a responsabilidade vai se intensificar, na prática o "TCR" vai ser comum para se eximir da responsabilidade em todos os níveis. De forma resumida, nas corporações, CEO para CIO, CIO para CFO, CFO para CEO e no mercado, provedores para fornecedores, para consumidores, etc.


No final é sempre o velho paradoxo de quem veio primeiro,  o ovo ou galinha?


Em outras palavras, "Foi divulgado porque foi descoberto ou foi descoberto porque foi divulgado?", ou então "A falha existia para ser usada ou foi usada porque existia? "



O fornecedor transfere para o consumidor e para os governos, que transferem  para os hackers, e os hackers adoram!


O certo é que temos:


  • Uma única vítima  -  o consumidor;
  • Dois que criaram as possibilidades;
  • O terceiro que explorou as oportunidades;

Ou será que este terceiro elemento, tem outros interesses além das migalhas dos BitCoins dos resgates?


Mas afinal, quem é o culpado: o ovo,  a galinha ou a frigideira?😀


Esta dúvida não vai demorar muito para ser desvendada, quando começarem a surgir na justiça americana as ações coletivas de indenizações, seja por vicio redibitório (defeito oculto),  sabotagens, concorrência desleal ou até mesmo de terrorismo.


Quando chegar a hora, será que vai adiantar alegar que existiam correções para o defeito, até porque as versões que mais foram exploradas no ataque, não tinham previamente o "remendo" disponível?


Será que vai ser alegado que existia a pressão "indireta" do  para que as versões antigas fossem abandonadas para o aumento de faturamento com atualização das versões? 


Enquanto não sabemos onde vai parar, reuni algumas declarações para que vocês tirem suas próprias conclusões. Boa leitura!


"A partir do momento em que a escala é tão grande, devemos nos perguntar se o objetivo é o cibercaos". Laurent Heslault - Diretor de estratégias de segurança Symantec.


"Os governos do mundo devem tratar este ataque como um alerta", Brad Smith - Presidente e diretor jurídico da Microsoft.


"É um cenário equivalente com armas convencionais seria o exército dos EUA terem seus mísseis Tomahawk roubados", Brad Smith - Presidente e diretor jurídico da Microsoft.


"Profundos lapsos éticos", "As falhas eram conhecidas da NSA e da CIA, mas eram mantidas em segredo por essas organizações para serem exploradas para seus próprios propósitos de coleta de dados" - Stephen Wicker - Cientista da computação da Universidade de Cornell.


O presidente russo, Vladimir Putin, disse que a Rússia - que foi acusada de intromissão cibernética em vários países - não teve nada a ver com o ciberataque maciço, e criticou a comunidade de inteligência dos EUA por criar o software original.


"Quem recebeu essa informação anos antes e está vazando agora tem que ser capaz de hackear a NSA e / ou a CIA, e dispostos a publicar tudo", "A lista de países que se encaixam em ambos os critérios é pequena: Rússia, China, e ... e ... e estou sem idéias", Bruce Schneier, diretor de tecnologia da IBM Resilient Systems


"Uma das regras na Rússia é que os criminosos russos não estão autorizados a cortar alvos russos. Isso não se encaixa no padrão de atividade patrocinada pela Rússia". "O mercado de crimes cibernéticos é realmente inovador e eles são rápidos em aproveitar as vulnerabilidades". James Lewis - Especialista em segurança cibernética do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.


"A culpa é bem distribuída - há muitas pessoas a culpar", "Construímos uma sociedade cada vez mais digital em uma base muito insegura e estamos começando a ver as conseqüências disso", "não há uma única entidade capaz de resolver este problema num futuro próximo, uma vez que a segurança depende de tantos fatores". "Se você quiser olhar para um lado positivo, seria esta uma chamada de alerta". "o ataque poderia levar mais pessoas a evitar a tecnologia digital e voltar a sistemas analógicos que não podem ser cortado". Steven Weber - Diretor do Centro de Cibersegurança da Universidade da Califórnia.


Houve vítima do ataque no governo federal dos EUA?

Arma química do mundo virtual?

Continuando nas analogias do mundo real com o mundo virtual, o que aconteceu na última sexta-feira 12 de maio, um dia ainda será lembrado  como uma batalha com Arma química do mundo virtual, que atingiu de forma covarde e indiscriminada a população, sem condições de defesa e proteção.


Da qualquer forma, de que servem as precauções da população numa guerra do mundo real, quando as armas químicas são usadas por quem deveria protegê-las,  não é verdade?


Este evento não pode ser menosprezado, como sendo isolado ao mundo virtual, da internet ou do mundo dos computadores. Não existem mais fronteiras entre o mundo virtual e o mundo real!


Quantas empresas podem ter iniciado o processo de "quebra" a partir deste evento?


Quantos empreendedores deixarão de existir, porque perderam o conhecimento que poderia fazer a diferença?


Quantas pessoas, famílias, empresas e sociedades perderam seu passado, sua história, seu valor?


Quantas pessoas morreram e morrerão porque  não tiveram diagnóstico ou o atendimento de saúde?


Quantas pessoas morrerão nas guerras do mundo real,  por armas financiadas pelos BitCoins dos resgates?


Quantas famílias se desintegrarão, se tornando refugiados nos quatros cantos do mundo?


As consequências são muitas, as perdas também!



Imagino que um dia os responsáveis  por este evento serão julgados da mesma forma foram julgados os crimes de guerra, o genocídio,  o uso de armas química, de destruição em massa do Mundo Real!


Não adianta tentar transferir as responsabilidade pelos ataques para os pobres mortais consumidores...


IDFM

domingo, 14 de maio de 2017

Riscos Reais do Mundo Virtual.

Quem trabalha com TI, sexta-feira 12 de maio de 2017 não surpreendeu, pelo menos para grande maioria dos que atuam na area de TI já tinham consciência dos riscos existentes e já esperavam que um dia aconteceria uma ameaça de escala mundial. 


A população em geral, não consegue perceber os riscos de sequestro de dados ou de computadores e negligenciam premissas importantes no mundo virtual, diferente do que fazem no mundo real.


No mundo real, quem é amigo de qualquer pessoa que aparece à sua frente? 


No mundo real, quem deixa exposto seus documentos, sua história para quem não conhecem, mesmo que seja "conhecido"?


No mundo real, na sua casa, quem  deixa suas informações, fotos (sua intimidade) e documentos expostos para seus empregados, com risco que eles possam usar ou levar para outros?


No mundo  real, quem imagina em   comprar um barco inflável que tem um furo minúsculo, que vasa quase nada, mesmo que o fabricante disponibilize remendo e cola para você tapar o buraco quando houver necessidade?  Quem imagina que você pode naufragar por conta do furo, minúsculo, invisível como esse?


No mundo real, quem imagina que o fabricante, ao identificar um problema no carro que seus clientes usam,  deixam de fazer Grandes Campanha publicitária alarmando o risco descoberto e convocar para um recall os seus clientes?


No mundo real, quem imagina  que os órgão de segurança, ao invés de garantir sua casa não seja invadida, aja de forma diferente e entram sem sua casa, vasculham tudo, deixem janelas e portas abertas e deixam as instruções que vão ajudar outros à invadir? Quem imagina que quem faça isso não seja punido por ter feito, mesmo sendo "autoridade"?


Pois é, no mundo virtual não deveria ser diferente. Principalmente quando se estar em Guerra!



A Guerra Digital vem sendo travada a muito tempo, este evento será marcado na história como o dia de uma batalha importante que vai fazer diferença, o antes o depois de sexta-feira 12 de maio de 2017.


Imagino quantas batalhas  jurídicas virão em decorrência das perdas deste evento! Sem duvida, muitas mudanças acontecerão!


Diferente de outros eventos, a guerra cibernética com efeitos na vida Real começa a ser do  conhecimento do público em geral, começa a ter efeitos reais na vida real. 


O que aconteceu vai fazer o mundo despertar para os Riscos Reais do Mundo Virtual.


Quem me acompanha aqui no AvisAra, vai lembrar quando, a exato 1 ano atras, ousei em imaginar um futuro de grandes oportunidades e possibilidades de novos negócios. Este evento ratifica aquela visão! Vejam:


👉 Não tem bola de cristal. (11.05.16)


Veja outras publicações que abordamos este assunto:


IDFM

A "Carne Fraca" do mundo digital

Sequestro de computadores será a notícia que vai estar mais na mídia mundial nesses próximos dias.  No Brasil só não será porque as notícias do Lavajato vão continuar superando todas as notícias.



As grandes emissoras de TV, programais semanais,  e os "ilustres" do talk shows passarão a "ser" especialistas em segurança cibernética, imagino quantos "gurus" aparecerão como celebridade instantânea.  

A mídia adora assuntos polêmicos. 

Quanto mais polêmica mais a mídia se aproveita para encher sua grades e pautas, mas quanto imparciais eles serão ? 

Fiquem atentos nas publicidades e saberemos qual o direcionamento "midiático" estará sendo dado na cobertura deste evento!

Faça uma analogia em relação a este acontecimento é o acontecimento da "carne fraca".

Para ajudar a entender o que aconteceu, na última sexta-feira, 12 de maio de 2017, recomendo a leitura:

Vale a pena a leitura entende melhor a origem deste ataque.



MALWARE VAZADO DA NSA ESTÁ AJUDANDO A SEQUESTRAR COMPUTADORES EM TODO O MUNDO.

EM MEADOS DE ABRIL, um arsenal de poderosas ferramentas de software aparentemente projetadas pela NSA para infectar e controlar computadores Windows foi vazada por uma entidade conhecida apenas como "Shadow Brokers". Nem mesmo um mês inteiro depois, a hipotética ameaça que os criminosos usariam As ferramentas contra o público em geral tornou-se real, e dezenas de milhares de computadores em todo o mundo estão agora aleijados por um partido desconhecido exigindo resgate.

O worm de malware que toma os computadores passa pelos nomes "WannaCry" ou "Wanna Decryptor". Ele se espalha de máquina em máquina silenciosamente e permanece invisível para os usuários até que ele se desvenda como ransomware, dizendo aos usuários que todos os seus arquivos foram Criptografados com uma chave conhecida apenas para o atacante e que serão bloqueados até que eles paguem US $ 300 para um anônimo usando o Bitcoin. 

Neste ponto, o computador seria tornado inútil para qualquer outra coisa senão pagar o resgate. O preço sobe para $ 600 depois de alguns dias; Depois de sete dias, se nenhum resgate for pago, o hacker (ou hackers) fará os dados permanentemente inacessíveis (WannaCry vítimas terão um relógio de contagem regressiva para ver exatamente quanto tempo eles têm deixado).

Ransomware não é novo

Para as vítimas, tal ataque é normalmente uma dor de cabeça colossal. Mas o surto vicioso de hoje tem espalhado ransomware em uma escala maciça, batendo não apenas computadores domésticos, mas supostamente saúde, infra-estrutura de comunicações, logística e entidades governamentais.

A Reuters disse que "os hospitais em toda a Inglaterra relataram que o ciberataque estava causando enormes problemas aos seus serviços e que o público nas áreas afetadas estavam sendo aconselhados a procurar apenas atendimento médico para emergências", e que "o ataque tinha afetado os sistemas de imagem de raios-X, Resultados, sistemas telefônicos e sistemas de administração de pacientes."

O verme também teria chegado às universidades, a uma grande empresa de telecomunicações espanhola, à FedEx e ao Ministério do Interior russo . No total, os pesquisadores detectaram infecções WannaCry em mais de 57.000 computadores em mais de 70 países (e contando - essas coisas se movem extremamente rapidamente). 

De acordo com especialistas de rastreamento e análise do verme e sua propagação, este poderia ser um dos piores ataques já registrados de seu tipo. O pesquisador de segurança que tweets e blogs como MalwareTech disse ao The Intercept, "Eu nunca vi nada como isso com ransomware", e "o último worm deste grau que eu me lembro é Conficker." Conficker foi um famoso verme Windows primeiro manchado em 2008; Ele passou a infectar mais de 9 milhões de computadores em quase 200 países .

O mais importante é que, ao contrário dos antigos worms de computador e infecções ransomware, o ataque de WannaCry parece estar baseado em um ataque desenvolvido pela NSA, com o nome de código ETERNALBLUE. A arma do software dos EU permitiria que os hackers da agência do espião invadissem potencialmente milhões de computadores de Windows explorando uma falha  (comentário meu: Falha ou intencionalmente plantada?) em como determinadas versões de Windows implementaram um protocolo de rede usado geralmente compartilhar arquivos e imprimir. Mesmo que a Microsoft tenha corrigido a vulnerabilidade ETERNALBLUE em uma atualização de software de março, a segurança fornecida lá dependia de usuários de computadores mantendo seus sistemas atualizados com as atualizações mais recentes. Claramente, como sempre foi o caso, muitas pessoas (inclusive no governo) não estão instalando atualizações. Antes, teria havido algum consolo em saber que apenas os inimigos da NSA teriam medo de ter ETERNALBLUE usado contra eles - mas a partir do momento em que a agência perdeu o controle de sua própria exploração no verão passado, não houve tal garantia. Hoje mostra exatamente o que está em jogo quando os hackers do governo não podem manter suas armas virtuais trancadas. Como pesquisador de segurança Matthew Hickey, que rastreou as ferramentas de NSA vazou no mês passado, colocou: "Estou realmente surpreso que um malware militar desta natureza não se espalhou mais cedo."

A infecção certamente reavivará argumentos sobre o que é conhecido como o Processo de Equidade de Vulnerabilidades, o procedimento de tomada de decisão usado para decidir se a NSA deve usar uma fraqueza de segurança que descobre (ou cria) para si mesma e mantê-la secreta, ou compartilhá-la com o afetado Empresas para que possam proteger os seus clientes. Christopher Parsons, pesquisador do Citizen Lab da Universidade de Toronto, disse claramente ao The Intercept: "O ataque de ransomware de hoje está sendo possível por causa do trabalho realizado pela NSA", e que "idealmente levaria a mais divulgações que melhorariam a Segurança de dispositivos globalmente. "

Mas mesmo que a NSA estivesse mais disposta a divulgar suas façanhas em vez de acumulá-las, ainda estaríamos enfrentando o problema de que muitas pessoas realmente não parecem se importar com a atualização de seu software. "Atores mal-intencionados exploram vulnerabilidades de anos em uma base rotineira quando realizam suas operações", observou Parsons. "Não há nenhuma razão que a divulgação mais agressiva de vulnerabilidades através do VEP mudaria tais atividades."

Um porta-voz da Microsoft forneceu o seguinte comentário:

Hoje, nossos engenheiros adicionaram detecção e proteção contra novos softwares maliciosos conhecidos como Ransom: Win32.WannaCrypt. Em março, fornecemos uma atualização de segurança que fornece proteções adicionais contra esse ataque potencial. 

Aqueles que estão executando o nosso software antivírus gratuito e têm atualizações do Windows habilitado, são protegidos. Estamos trabalhando com os clientes para fornecer assistência adicional.


IDFM