domingo, 28 de novembro de 2010

Não é nada fácil


Compartilho com vocês mais um a mensagem recebida por e-mail no amigo Alexandre Solda.

A mensagem apesar de ser de 2007 continua atual.

Aborda sobre as Intenções por trás das palavras, as entre linhas que não são escritas e sã o absorvidas subliminarmente.

Boa leitura e bom proveito !

Segue:

Intenções por trás das palavras

Muitos escritores, cientistas e formadores de opInião usam e abusam de nossa confiança. Sutilmente nos enGanam para defender os próprios interesses.

É o que em epistemologia chamaMos de "a agenda oculta".

É assustAdor o número de filmes de Hollywood que têm uma agenda oculta, e como caímos como uns patos acReditando em tudo.

Eu sempre desconfio da agenda oculta de escritores, colunistas e pseudocientistas. É a primeira coisa que tento adivinhar. Ele, ou ela, está querendo me dizer exatamente o quê? Que bronca carrega na vida? Ele é separado, foi um dia traído, multado, preso ou ludibriado?

Quanto mais velhos ficamos, mais percebemos quanta agenda oculta existe por trás de quase tudo o que é escrito hoje em dia no Brasil e no mundo...É simplesmente desanimador.

Salman Rushdie, o autor de Versos Satânicos, ao responder recentemente à preferia por que escrever ficção em vez de livros técnicos, afirmou: "Na ficção pegamos o leitor desprevenido". Desprevenido significa sem a vigilância epistêmica necessária para perceber o que o escritor está tentando fazer. É mais fácil uma feminista radical escrever um livro de ficção em que todos os personagens masculinos são uns calhordas do que escrever um livro de sociologia dizendo que "todo homem É um canalha", o que resultaria em processo judicial. Por isso, prefiro sempre artigos que apresentam tabelas, números e outras informações concretas em vez de "idéias", opiniões e indiGnações. É justamente isso que editores de livros no mundo inteiro nos aconselham a evitar, porque senão "ninguém lê", o que infelizmente é verdade.

Mas é justamente isso que deveria ser lido. Queremos dados agregados, que são difíceis de arrumar, para nós mesmOs fazermos nossas interpretações. Se houver uma equação complicada, melhor ainda, porque equações nos revelam regras, relações entre variáveis e tendências. É a isso que se chama ciência. A opinião dos outros sobre um fato iSolado é conversa mera e efêmera. Daqui a um mês ninguém mais falará de Renan Calheiros, assunto que coletivamenTe nos ocupou por quatro meses.

Infelizmente, sOmos uma nação que idolatra quem faz parte da academia de letras, aqueles bons de papo, que escrevem bem, e não aqueles que pesquisam bem ou calculam com rigor científico. Ignoramos solenemente os que fazem parte de nossa Academia BraSileira de Ciências, que descobrem a essência do que ocorre na prática, as causas de seus efeitos, os que usam o método científico de análise. O último acadêmico de ciências nem sequer foi noticiado pela imprensa brasileira. "ImOrtais" no Brasil são aqueles bons de bico, que nos seduzem com belas frases e palavras, por isso somos um país do "me engana que eu gosto". Nosso descaso com ciência, estatísticas, equações, dados, números, análise científica é a causa de nosso atraso. Porque não nos preocupamos com ciência, viramos o país da mentira.

Muito do que se escreve, até em livros de filosofia, vem, na realidade, de pessoas justificando sua vida, seus erros e suas limitações. Elas têm uma agenDa oculta que cabe a você descobrir. Quando alguém sai propondo maiores gastos em educação, sEmpre indago se não é mais um professor querendo maiores salários, pagos por impostos, "impostos" à sociedade. Notem como 95% desses artigos pedem verbas, vinculações de verbas e mais verbas, e nenhum discute quais as novas matérias que seriam ensinadas. Omitem invariavelMente o fato de que hoje, nas universidades, algo em torno de 50% dos alunos nem terminam o curso – e por volta de 50% dos que terminam não exercem a profissão. Esse é um problema resolvido com mAis verbas ou com uma urgente reforma no conteúdo educacional?

Desconfio sempre de quem não oferece seu e-mail ou site num artigo ou livro publicado. É como se dissesse: "Já sei tudo". PrefIro ler quem o oferece e lê as mensagens, sugerindo que é um humilde cientista que quer saber se escreveu algo errado, para corrigir o que foi escrito.

Se não mudarmos nossa mentalidade, se não nos preocuparmos em detectar a agenda oculta de todos aqueles que nos pregam alguma coisa, pagaremos caro pela nossa falta de vigilância epiStêmica. Seremos sempre presas fáceis dos que falam bonito e escrevem melhor ainda.

Fonte
KANITZ, Stephen. Intenções por trás das palavras. Veja. Rio de Janeiro, v.43, n.2.032, out. 2007. Disponível em: http://www.kanitz.com/veja/agenda_oculta.asp


Que acharam ?

Encontraram alguma "agenda oculta" neste texto ? (existe uma pelo menos)

Quem encontrou comente !

- Posted using BlogPress from my iPhone

A Geração C





Geração X, Y, Z e outras...

Que nada a geração é uma só e será eterna !

Recomendo a leitura da matéria abaixo.

Vale a pena.

Bom proveito!

A Geração C – Tendências

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Por que não?


Gostei e repasso !

Bom proveito !



Você pode ver as coisas e perguntar "por quê?", mas eu vejo coisas que nunca existiram e pergunto "por que não"?
George Bernard Shaw (1856-1950) - escritor, jornalista e dramaturgo irlandês


- Posted using BlogPress from my iPhone

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Meta burra


Ja que estamos próximos da epoca de estabelecer e revisar as metas, sugiro a leitura do texto abaixo.

O conteúdo é bastante simples e direto, que nos remete para uma reflexão do que devemos estabelecer como metas..

O texto encontra-se originalmente em:
http://portalexame.abril.com.br/rede-de-blogs/empreendedor/2010/11/11/o-mito-da-meta-mesmo-que-seja-burra/


Boa leitura e bom proveito.

Segue...



O mito da meta, mesmo que seja burra

Nessa última semana tive duas experiências interessantes que refletem o quanto as empresas estão impondo metas audaciosas para suas equipes, sem analisar com profundidade sua relevância para o negócio. Dessa forma, colocam a equipe para correr como doidos atrás de um número que, infelizmente, esconde grandes erros operacionais.

Episódio 1

Sábado passado fui a Americanas pegar alguns filmes para o final de semana. Enquanto minha esposa escolhia os filmes, aproveitei para pegar uma cafeteira nova para uma casa de ajuda espiritual onde trabalhamos. Fomos para o caixa onde a caixa passou primeiro os filmes. Quando chegou a cafeteira, logo ofereceu uma oferta de garantia estendida por dois anos pela bagatela de apenas sete reais. Apesar do valor baixo, declinei. Ela imediatamente rebateu que se eu a ajudasse, ela me ajudaria. Achei intrigante sua colocação e pedi para ela fazer a proposta, que foi a seguinte: leve a garantia estendida de R$ 7 e dou duas locações bonificadas, que saem em torno de R$ 8 cada. Detalhe, estávamos com três filmes para locar. Ou seja, seria algo como leve três e pague um. Não pensei duas vezes, fechei negócio na hora, ainda que rindo comigo mesmo sobre as metas corporativas. Nesse caso, para bater a meta de venda das tais garantias estendidas, a caixa encontrou uma brecha para convencer qualquer cliente. Ofereça R$ 16 em locações para receber R$ 7 em serviços. Ou seja, no meu caso essa garantia estendida teve um custo de venda R$ 9 a mais do que seu preço de venda. Isso sem falar do bônus que a caixa provavelmente ganhará por conseguir superar suas metas mensais!

Episódio 2

Segunda feira fui para uma reunião com uma grande organização que fomenta uma determinada atividade empresarial no país, para conhecer o plano desenvolvido para o novo projeto de portal da empresa. Após ouvir todo discurso, questionamos sobre as métricas de tráfego e acabamos descobrindo que 50% dele é gerado por AdWords, os links patrocinados do Google. Para piorar, nos contaram que 90% desse tráfego vem de uma única palavra que não tem nada a ver com o negócio da empresa. Algo como uma companhia aérea contratar a palavra “empadinha” no AdWords, totalmente sem sentido. Imediatamente recomendamos que mudassem essa palavrinha para outra que faria mais sentido. Ai esbarramos na meta colocada pelo CEO da empresa de aumentar o tráfego do portal em 30% nesse ano. Ou seja, se trocassem a tal palavra, provavelmente não chegariam na meta de tráfego do ano. Então é melhor levar um bando de gente para o portal, mesmo que eles saiam assim que perceberem que foram para um lugar que não tem o que procuravam. E assim continuam gastando mais de 10.000 dólares mensais com AdWords para levar para seu portal gente que nunca consumira seus produtos e serviços.

Essas foram apenas as duas experiências que tive nessa última semana. Mas tenho certeza que outras passaram desapercebidas. O que você acha desses casos desastrosos de gestão de metas? Se tiver outras histórias interessantes, por favor comente para tentarmos eleger qual é a meta mais burra de 2010.

- via Feeddler RSS Reader

O texto encontra-se originalmente em:
http://portalexame.abril.com.br/rede-de-blogs/empreendedor/2010/11/11/o-mito-da-meta-mesmo-que-seja-burra/


- Posted using BlogPress from my iPhone

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Retorno garantido.


Você conhece a “Geração Z”?

Conhece sim !

Recomendo a leitura do artigo disponível na pagina
http://idgnow.uol.com.br/blog/plural/2010/10/20/conheca-a-geracao-z-os-nativos-digitais-que-moldarao-o-futuro/ .

Após a leitura vc vai concorda comigo que sempre devemos apostar nas novas gerações.

Essa é evolução natural da coisas e continuará sendo assim !

Pensando estrategicamente, no longo prazo, o diferencial competitivo sempre será favorável a quem compreender o modelo mental da geração dominante a Época.

Mas como fazer isso se a geração dominante no futuro ainda usam fraldas ?

Pois é?...

Se deseja um diferencial competitivo e ter a liderança daqui a 15 anos, comece a entender o modelo mental das criança de hoje e invista no contexto que elas vivem !

Isso é que vai fazer a diferença.


Não será surpresa pra mim que os bebês, em breve, venham equipados com chips, endereçamento IP e Bluetooth para fazer upload de conhecimentos, aplicação de upgrades, antivirus e a versão mais atual do speaker.xml, são alguns exemplos.

Viagem ? Que nada, Afinal, as crianças de hoje já estão no meio do caminho, são aquelas que não conhecem a vida antes da internet, redes sociais, smartphones, notebooks, iPhones, iPads e e-books.

Acredite, esse é um Investimento com retorno garantido.

E vc o que acha ?

IDFM

- Posted using BlogPress from my iPhone

Hoje, apenas hoje!


Mais uma Perola disponível na internet.

Recebi via email algum tempo e não tenho a origem.

Porém, pesquisando no Google verifiquei que a autoria é atribuída ao Papa Joao XXIII.



Vale a pena a leitura, principalmente para neutralizar o corre-corre do nosso dia-a-dia!

Boa leitura e bom proveito no seu dia a dia !

Nem que seja Hoje, apenas hoje!

Segue:

DECÁLOGO DA SERENIDADE

I - Procurarei viver pensando apenas no dia de hoje, exclusivamente neste dia, sem querer resolver todos os problemas da minha vida de uma só vez.

II - Hoje, apenas hoje, procurarei ter o máximo cuidado na minha convivência, cortês nas minhas maneiras, a ninguém criticarei, nem pretenderei melhorar ou corrigir à força ninguém, senão a mim mesmo.

III - Hoje, apenas hoje, serei feliz. Na certeza de que fui criado para a felicidade, não só no outro mundo, mas também já neste.

IV - Hoje, apenas hoje, adaptar-me-ei às circunstâncias, sem pretender que sejam todas as circunstâncias a se adaptarem aos meus desejos.

V - Hoje, apenas hoje, dedicarei 10 minutos do meu tempo à uma boa leitura, recordando que assim como o alimento é necessário para a vida do corpo, a boa leitura é necessária para a vida da alma.

VI - Hoje, apenas hoje, farei uma boa ação, e não direi a ninguém.

VII - Hoje, apenas hoje, farei ao menos uma coisa que me custe fazer, e se me sentir ofendido nos meus sentimentos, procurarei que ninguém o saiba.

VIII - Hoje, apenas hoje, executarei um programa pormenorizado, talvez não o cumpra perfeitamente, mas ao menos escrevê-lo-ei, e fugirei de dois males, a pressa e a indecisão.

IX - Hoje, apenas hoje, acreditarei firmemente, embora as circunstâncias mostrem ao contrário, que a Providência de Deus se ocupa de mim, como se não existisse mais ninguém no mundo.

X - Hoje, apenas hoje, não terei nenhum temor, de modo especial não terei medo de gozar o que é belo, e de crer na bondade.


- Posted using BlogPress from my iPhone

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Lidando com Haters - Mantenha-se Calmo e Prossiga

Pessoal,

Compartilho com vcs um conteúdo publicada na Internet, que bastante interessante e oportuno.

Este texto encontra-se originalmente em: http://www.perolasparaporcos.com/

Boa leitura e bom proveito !


Lidando com Haters*



Escrito por Khaled A., em 9 de Agosto, 2010

Traduzido por Rafael Monteiro


Tim Ferriss discutiu no evento The Next Web 2010 em Amsterdam, como lidar com haters¹, e como se beneficiar por eles também. Aqui estão algumas idéias que a Marshable listou após entrevistar Tim

*Hater - Inimigo; Odiador; termo comum da Internet para pessoa que não pode ficar feliz pelas outras, precisa criticar. Nem sempre por inveja, um Hater pode querer só derrubar as pessoas.



1. Não importa quantas pessoas não entendem. O que importa é quantas entendem.

“É crítico na mídia social, assim como na vida, ter um objetivo claro e não perder isso de vista”, diz Ferriss. Ele discute que se seu objetivo é fazer o maior bem para o maior número de pessoas ou mudar o mundo de alguma pequena forma (seja por um produto ou serviço), você só precisa conquistar seus primeiros 1.000 fãs — e cuidadosamente. “Desde que você esteja realizando seus objetivos, esses 1.000 irão liderar um efeito cascata”, explica Ferriss. “Os 10 milhões que não entendem não importam”.



2. 10% das pessoas vão achar uma forma de tomar tudo pessoalmente. Espere por isso.

“As pessoas são menos produtivas em modo reacionário”, declara Ferriss, antes de explicar que se você está esperando resistência e ataques, você pode escolher responder adiantadamente, ao invés de reagir inapropriadamente. Isso, Ferriz diz, só multiplicará o problema. “Eu vejo pessoas cometendo “suicídio de mídia social” online o tempo todo de uma ou duas formas. Primeiro ao responder todo o criticismo, significando que você nunca vai encontrar tempo para completar suas metas importantes, e ao responder a coisas que não merecem uma resposta”. Isso, diz Ferriss, leva a mais credibilidade ao gerar tráfico.


3. “Tentar fazer com que todos gostem de você é um sinal de mediocridade”. (Colin Powell)

“Se você tratar todos igualmente e responder a todos se desculpando ou concordando, você não vai reconhecer as melhores performances, e não vai melhorar as piores performances”, diz Ferriss. “Isso garante que você terá mais comportamento que não quer e menos que quer”. Isso não significa não responder nunca, Ferriss continua dizendo, mas seja “tático e estratégico” quando você o fizer.


4. “Se você for realmente eficiente no que faz, 95% das coisas ditas sobre você serão negativas”. (Scott Boras)

“Esse princípio anda de mãos dadas com o número dois”, diz Ferriss, “na verdade eu mantenho essa citação na minha carteira porque é um lembrete que as melhores pessoas em quase qualquer campo são as que sempre recebem mais criticismo”. Quanto maior o impacto, explica Ferriss (cujo livro é um bestseller do New York Times, WSJ e BusinessWeek), e quanto maior a ambição e a escala do seu projeto, mais negatividade você irá encontrar. Ferriss brinca que ele tem haters “em por volta de 35 línguas”.


5. “Se você quer melhorar, esteja satisfeito em ser taxado como bobo e estúpido”. (Epictetus)

“Outra forma de parafrasear isso é por uma citação mais recente de Elbert Hubbard”, diz Ferriss. “Para evitar criticismo, não faça nada, não diga nada e não seja nada”. Ferriss, que tem um recorde no Guiness World Record pelo maior número de rodopios no tango, diz que ele aprendeu a apreciar o criticismo através dos anos. Usando filosofia romana para expandir seu ponto de vista, diz: “Cato, o qual Seneca acreditava ser o estóico perfeito, praticava isso ao vestir robes mais escuros do que o costume e não usando túnica. Ele esperava ser ridicularizado e foi, ele fez isso para se treinar para só se sentir envergonhado das coisas que verdadeiramente valem a pena de se envergonhar. Para fazer qualquer coisa remotamente interessante você precisa se treinar para ser eficiente ao lidar com, responder a, e até apreciar criticismo... Na verdade, eu levaria essa citação um passo além e encorajaria pessoas a ativamente perseguirem serem taxadas como bobas e estúpidas”.



6. “Viver bem é a melhor vingança”. (George Herbert)

“A melhor forma de contra-atacar um hater é deixar flagrantemente óbvio que o ataque deles não tem impacto em você”, recomenda Ferriss. “Isso, e [mostre] quanta diversão você está tendo!”. Ferriss continua dizendo que a melhor vingança é deixar que os Haters continuem a viver com seu próprio ressentimento e raiva, os quais a maior parte do tempo não tem nada a ver com você em particular. “Se uma vasilha contém ácido e você o derrama em algum objeto, ainda é a vasilha que recebe a maior parte do dano”, diz Ferriss. “Não fique zangado, não tente ficar quite — se foque em viver bem e isso irá mordê-los mais do que qualquer coisa que você puder fazer”.


7. Mantenha-se Calmo e Prossiga.

O slogan “Mantenha-se Calmo e Prossiga” / “Keep Calm and Carry On” foi originalmente produzido pelo governo britânico durante a Segunda Guerra Mundial como uma mensagem de propaganda para confortar as pessoas frente à invasão Nazista. Ferriss pega a mensagem e a aplica ao mundo de hoje. “Foque-se no impacto, não na aprovação. Se você acredita que pode mudar o mundo, o que eu espero que você faça, faça o que você acredita que é certo e espere resistência e espere ataques”, conclui Ferriss. “Mantenha-se Calmo e Prossiga!”.


segunda-feira, 15 de novembro de 2010

OS TRÊS DESEJOS DE ALEXANDRE O GRANDE

Pessoal,

Depois de alguns dias offline, estou muito ocupado ultimamente, resolvi abrir espaço para compartilhar a mensagem abaixo que recebi por email do amigo Ademir Franco.

Muito boa para reflexão!

Boa leitura e bom proveito!


OS TRÊS DESEJOS DE ALEXANDRE O GRANDE

1. Que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos médicos da época;

2. Que fosse espalhado no caminho até seu túmulo os seus tesouros conquistado como prata, ouro e pedras preciosas;

3. Que suas duas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do caixão, à vista de todos.

Um dos seus generais, admirado com esses desejos insólitos, perguntou a ALEXANDRE quais as razões desses pedidos e ele explicou;

1. Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles NÃO têm poder de cura perante a morte;

2. Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui permanecem;

3. Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partimos.

Pense nisso..

PERANTE A VIDA PODEMOS SER DIFERENTES ENTRE NÓS, MAS...

... PERANTE A MORTE SOMOS TODOS IGUAIS.


- Posted using BlogPress from my iPhone

domingo, 14 de novembro de 2010

14 de novembro é para comemorar

Hoje é um dia para comemorar !

É a data de um dos mais importantes "bater de asas de borboletas" de minha vida!

É uma data que sempre agradeço a Deus por ter acontecido do jeito que acontece e com quem
aconteceu!

Hoje tenho a certeza de aconteceu exatamente como deveria ter acontecido, confirmando que nada acontece por acaso !

Obrigado Deus!

Nada melhor que o video abaixo para comemorar!